quinta-feira, 3 de julho de 2014

VI


Nos dias revelados, na posse do que dita
o  pó e as vigílias, nessa lenta
profusão de imagens e de rostos
traídos, roídos de beleza
—um dorso descomposto, deitado
sob a treva. E a cabeça
inclinada
cada vez mais no seu lençol.

[Nuno Guimarães]

Sem comentários:

Publicar um comentário