quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Gritando não por socorro mas por alguém


Dos campos que cultivei duas sementes restaram
O centro
Da pedra e as mãos
Dentro da segunda cultivei a hora de afastar-me
(Não havia ninguém a quem dizer
Já vou)
Dentro da solidão os espantalhos (não lhes fora dada
A companhia dos pássaros)
Abri os braços como as vides nos bardos
Hora após hora (e depois delas) te esperei

[Daniel Faria]

Sem comentários:

Publicar um comentário