sábado, 31 de maio de 2014

O vento rasga o asfalto


Dias ainda de julho
dobram no esquecimento
isto e não aquilo,
como foi um dia, o pouco
de tudo, o poço e a mão.

Ainda julho, boca e ninguém,
o amor, cinzas
e ao fundo as rosas
já queimadas.

[Fernando Luís]

Sem comentários:

Publicar um comentário