sábado, 24 de maio de 2014

Uma luz com um toldo vermelho


Era como estar só. Mas
estar só e feliz.
A varanda envidraçada,
o cheiro do café, um ramo
chamado pelo sono.
Sombras de sol batiam
no chão de madeira velha.
Restos de água da noite
brilhavam nos vidros
os primeiros insectos.
A maresia das aves costeiras
lanceoladas de luz.
Os olhos pousavam à espera
de te voltar a ver.

[Joaquim Manuel Magalhães]

Sem comentários:

Publicar um comentário